De aliado a desafeto de Cunha, Picciani tenta reeleição à liderança do PMDB » Brasil

De aliado a desafeto de Cunha, Picciani tenta reeleição à liderança do PMDB

Fonte: De aliado a desafeto de Cunha, Picciani tenta reeleição à liderança do PMDB » Brasil

De aliado a desafeto de Cunha, Picciani tenta reeleição à liderança do PMDB.

Por Maria Carolina Marcello

BRASÍLIA (Reuters) – Nome do Palácio do Planalto para comandar novamente a bancada do PMDB na Câmara, o deputado Leonardo Picciani (PMDB-RJ), que disputa a liderança nesta quarta-feira, não foi sempre um apoiador do Executivo.

Inicialmente aliado do presidente da Casa, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), cujo suporte foi um dos fatores que o levaram à liderança do PMDB no ano passado, Picciani chegou a apoiar, assim como seu pai, o presidente do partido no RJ, Jorge Picciani, a candidatura de Aécio Neves (PSDB) à Presidência da República nas eleições de 2014.

A conjuntura política mudou, Cunha rompeu definitivamente com o governo e Leonardo Picciani, em seu terceiro mandato de deputado federal aos 36 anos, ganhou a relatoria de proposta prioritária para o Executivo, que revertia parcialmente a desoneração da folha de pagamento concedida a empresas, parte do ajuste fiscal promovido pelo governo no ano passado.

Ainda nessa época, não era tido como governista. Negociava termos da proposta com o então ministro da Fazenda, Joaquim Levy, mas tinha posições divergentes das defendidas pelo Executivo.

Passou a conversar mais com o governo quando o Planalto identificou que já era crítica a insatisfação do PMDB e chamou o líder para negociar um aumento da cota dos deputados do partido em ministérios, como parte da reforma administrativa para adequar a distribuição ministerial à correlação de forças da sua base.

Como resultado da reforma, dois deputados peemedebistas foram alçados a ministros –Celso Pansera, na Ciência e Tecnologia, e Marcelo Castro, na Saúde, uma das pastas mais relevantes da Esplanada, com um vultuoso orçamento e capilaridade.

Mas foi durante a escolha de nomes da bancada para compor uma comissão especial da Câmara que analisará o pedido de impeachment da presidente Dilma Rousseff que a aproximação do líder com o governo ficou mais evidente.

Ao identificarem na lista oferecida por Picciani para compor a comissão do impeachment deputados favoráveis ao governo, dissidentes da bancada aliaram-se à oposição e elaboraram uma lista paralela que acabou sendo eleita, mas posteriormente anulada pelo Supremo Tribunal Federal (STF).

A partir daí ficou consolidada uma divisão entre os representantes do partido na Câmara, culminando com a destituição de Picciani do posto de líder. A ala insatisfeita na bancada do PMDB conseguiu apoio suficiente colocar Leonardo Quintão (PMDB-MG) em seu lugar.

Picciani retomou o posto oito dias depois, com nova lista de apoio. Tenta agora a reeleição à liderança contra o deputado Hugo Motta (PMDB-PB), aliado de Cunha, com uma bancada dividida num cenário em que terá de mostrar lealdade ao Planalto no processo de impeachment contra Dilma.

Anúncios

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s