Conceição do Almeida

HISTÓRICO

Em meados do século XIX, uma aglomeração formada em torno de uma capela construída sob a invocação de Nossa senhora da Conceição, recebeu o nome de Capela do Almeida, devido ao fato dos proprietários do terreno serem da família Almeida Sande. Município criado com território desmembrado de São Felipe, pelo Ato Estadual de 18.07.1890, com a denominação de Conceição do Almeida. Receberia o nome de Afonso Pena em 1909. Retomou em 1943 o topônimo de Conceição do Almeida. A sede foi elevada à categoria de cidade através Lei Estadual de 17.08.1909, com a denominação de Nossa Senhora da Conceição do Almeida.

CARACTERÍSTICAS ECONÔMICAS

Agricultura: na produção agrícola destacam-se os cultivos de amendoim, abacate e produção expressiva de batata-doce. A pecuária apresenta criação de bovinos, suínos, equinos e muares. Seu parque hoteleiro registra 48 leitos. No ano de 2001 o município registrou 4598 consumidores de energia elétrica com um consumo de 6209mwh. Segundo dados da SEI/IBGE, o PIB do município para 2003 foi de R$44,82 milhões e a estrutura setorial está distribuída da seguinte forma: 34,92% para agropecuária, 12,86% para indústria e 52,22% para serviços.

Censura Escolar

Censura escolar
Justiça proibe site de citar nome de escola que criticou
por Priscyla Costa
A Justiça de Ribeirão Preto determinou que o site http://www.escolasempartido.org.br/ retire de um texto os nomes da Editora COC e do Sistema COC de Ensino. Motivo: o site publicou o texto da mãe de uma aluna do colégio Pentágono/COC (unidade Morumbi, São Paulo), reclamando da metodologia usada nas apostilas dos alunos. O coordenador do site, Miguel Nagib, já atendeu ao pedido.
A instituição de ensino ajuizou a ação na 5ª Vara Cível de Ribeirão Preto (SP). Afirmou que a autora do texto, que também é jornalista, teve a intenção de atingir a honra e a imagem do centro de educação, por ter sugerido que os materiais didáticos produzidos fossem impedidos de circular e que as escolas indenizassem os alunos por danos morais.
“Não é necessário muito esforço para se averiguar o abalo de crédito causado às autoras, ante a reação de dezenas de pais de alunos vinculados ao Sistema COC que tomaram ciência do conteúdo desse artigo, que continua a ser disseminado/veiculado, dia a dia, em outros sites do gênero na internet, aumentando assim os prejuízos”, defendeu a instituição na petição inicial.
Pornografia e marxismo
No texto, a jornalista Mirian Macedo, mãe da aluna, sustenta que os livros do Sistema COC de Ensino têm conteúdo pornográfico e “viés ideológico marxista explícito”, além de serem redigidos em “português precário e descuidado” e conterem erros de história.
Para se defender dessas afirmações, o COC esclareceu que associar a marca “a expressões como ‘pornô’ ou sugerir que as informações contidas nas apostilas confeccionadas pelas autoras contêm informações e dados históricos falsificados é atingir diretamente a honra e a imagem objetiva da editora”.
A jornalista cita como exemplo do “viés ideológico marxista” os textos um trecho em que se lê: “na sociedade capitalista quase todos trabalham para gerar riquezas, mas apenas uma minoria (burguesia) se apropria dela (sic)”.
Quanto à conotação pornográfica, há uma lista de verbos, em uma apostila de redação, descrevendo o cotidiano de um empresário da seguinte forma: “vendeu, ganhou, lesou, burlou…, convidou, elogiou, bolinou…despiu-se, mexeu, gemeu, fungou, babou”.
Como amostra das falsificações históricas, aponta uma apostila de História, em que a Igreja é acusada de “legitimar” e ter interesse na escravidão dos negros. Outro texto, segundo a jornalista, distorcia a própria Bíblia, ao relacionar a destruição das cidades de Sodoma e Gomorra com o dilúvio e a Arca de Noé. “A destruição de Sodoma e Gomorra nada tem a ver com Noé, e sim, com o patriarca Abraão e seu sobrinho Ló”, defende a mãe.
Já com relação ao “português descuidado”, a jornalista escreveu: “A página 4 da apostila de Gramática ostenta a letra de uma música de Charlie Brown Jr, intitulada Papo Reto (Prazer É Sexo O Resto É Negócio) — assim mesmo, tudo em maiúscula, sem vírgula. Está escrito: ‘Otário, eu vou te avisar: o teu intelecto é de mosca de bar (…) Então já era, Eu vou fazer de um jeito que ela não vai esquecer’.”
Em nota publicada no mesmo site, o centro de ensino afirmou que fez tudo em nome da diversidade cultural. “Ao invés de negar a existência de tais textos e letras, colocamo-las às claras para que possam suscitar análises e reflexões, para que possam colaborar com o processo educacional além do instrucional.”
“Educação não é doutrinamento para um lado ou para outro, mas é o estímulo da inteligência da complexidade. Doutrinamento é simples repetição; inteligência da complexidade é, antes de tudo, articulação”, explicou o grupo.
A Editora COC e o Sistema COC de Ensino também pedem indenização por danos morais. Esta solicitação será analisada no julgamento do mérito da ação.
Processo 586/07
Clique aqui para ler o texto
Revista Consultor Jurídico, 28 de abril de 2007

SUS Forte na Bahia

A primeira medida do governo Wagner na área de saúde, aponta na direção do fortalecimento do sistema único de saúde no estado. A devolução á gestão pública do hospital Mário Dourado sobrinho, em Irecê, prevista para acontecem 60 dias, indica a disposição do governo da Bahia de corrigir uma inversão de valores que marcou a gestão na saúde nos 16 anos do carlismo no estado. A nova atitude do governo estadual para o setor é condição para se constituir uma saúde pública de qualidade e inclusive no final o governo passado, nada menos que 18 hospitais públicos encontravam-se sobre controle da iniciativa privada, seja através das organizações sociais, como no caso de Irecê ou via processos de terceirização. A concepção destorcida de que a gestão publica era incapaz para gerir as unidades de saúde bastante disseminada pelos governos anteriores, em concluir com os grupos que apropriaram se da saúde na Bahia, deverá ser sepultada no estado para o bem dos usuários. E, notadamente, dos cofres públicos.

O locutor mais famoso da TV brasileira comenta os sites

O locutor mais famoso da TV brasileira comenta os sites, vídeos e …Link – São Paulo,SP,BrazilQue comenta, pela primeira vez, sua polêmica relação com a internet –são inúmeros sites, comunidades, vídeos e até games que, sempre àscustas do locutor, …

Bem, amigos do Link! Voltamos, agora em definitivo para curtir juntos, em todas as suas emoções, mais um Vida Digital! É… Haja coração! Hoje, nosso entrevistado é ninguém menos do que ele, Galvão Bueno! Que comenta, pela primeira vez, sua polêmica relação com a internet – são inúmeros sites, comunidades, vídeos e até games que, sempre às custas do locutor, fazem a alegria da web. É, amigo, teste pra cardíaco!Galvão começa a entrevista, como ele mesmo costuma dizer, estudando o “adversário” e tenta mostrar boa vontade com o mundo digital. Conta que o site do programa Bem, Amigos!, sua mesa-redonda no canal SporTV, agora tem uma sala de bate-papo. Além de fazer perguntas para os entrevistados, o amigo internauta pode acessar uma câmera exclusiva.Bem legal. Só que, em se tratando de Galvão Bueno e internet, sempre há um risco: será que esse chat não fica cheio de engraçadinhos, todos querendo gozar o narrador esportivo mais famoso do Brasil? Ele jura que não: “Olha, eu não acompanho o tempo inteiro porque estou apresentando o programa. Mas o resultado tem sido espetacular. É porque o futebol mexe com as pessoas.”Verdade. E outra coisa que mexe com as pessoas, na internet, são os vídeos do megaportal YouTube. Onde, claro, Galvão é um hit: há centenas de clipes com sua participação, bem como diversas paródias (veja abaixo os maiores sucessos).Primeiro, ele desconversa e diz que nunca acessou o YouTube. Mas aí pergunto sobre o vídeo mais popular de todos: em que Galvão, sem saber que está sendo gravado, faz declarações impagáveis sobre o comentarista Pelé. Aí a coisa muda de figura, amigo!“Ou as pessoas não entenderam direito ou houve alguma edição. Porque eu não briguei com o Pelé em momento algum. Eu fiz uma brincadeira”, defende-se. Ele não compreende tanto interesse no vídeo: “Isso é coisa antiga, já tem 13 anos (foi na Copa de 94). Tá na moda agora?”, pergunta.Está sim, Galvão: até a conclusão desta edição, o fatídico clipe já tinha mais de 177 mil acessos. Como também continuam bombando, claro, os sites e as discussões no Orkut relacionadas ao narrador.Com os sites, como o engraçadíssimo Eu Odeio o Galvão Bueno (veja abaixo), ele não está nem aí – “todo mundo tem o direito de me odiar, se quiser”.Já com o Orkut, onde há inúmeros sósias e mais de 700 comunidades dedicadas a ele, Galvão deixa transparecer certa mágoa. “Esse é um problema. Não tenho (perfil) lá. Todos são falsos. Disso eu não gosto.”“Para mim, a internet é um instrumento de informação. Quando volto de um jogo, vou para o hotel dormir. Não sou viciado, não sou de ficar jogando.”Galvão não é de jogar, mas já foi ‘homenageado’ em alguns games. Ele mesmo conta: “Eu vi um que é muito engraçado. O meu filho pequeno, que tem 6 anos, viu o jogo do Brasil e foi para o hotel. Quando cheguei, a moça do hotel estava morrendo de rir. O meu filho estava jogando um joguinho que se chama Cala a Boca Galvão.”Cala a Boca Galvão? “É igual àqueles parquinhos de diversões, em que o patinho fica passando e o cara atira”, explica. “Então fico passando eu, com os fones de ouvido. E (o jogador) atira um esparadrapo. Se acertar na boca, acertou. Aí meu filho falou: ô pai, já fiz você calar a boca cinco vezes!” Boa, Galvãozinho!O JOGO É DRAMÁTICO!Falando em games, o Link levou o maior de todos para mostrar ao Galvão: é o já famoso Winning Eleven Galvão Edition, uma versão do clássico de futebol para PlayStation 2. Só que, em vez da narração japonesa, entram as vozes de Galvão e do comentarista Arnaldo César Coelho.Os assessores de Galvão ficam apreensivos. Um deles pergunta “se é sacanagem”, e outro insiste: “não é pejorativo”? Alguns minutos depois, o PlayStation 2 está instalado no camarim da TV Globo. Galvão desconfia: “Deve ter alguma sacanagem. Mas vamos lá”. A essa altura, Falcão e Arnaldo já chegaram ao camarim. Galvão começa a mostrar certo interesse. “Tem o Arnaldo (no jogo) também? É legal?”Basta dar o pontapé inicial e o narrador digital, no PS2, já solta uma pérola: “Tem que ir pra cima, botar a bola no chão!”. Chego à linha de fundo, aos três minutos de jogo, e ele grita: “O jogo é dramático!”. Só faltou mesmo dizer “Rrronaldinho!”Aí Galvão, o da vida real, não acha muita graça: “Isso é pirataria. Uso indevido da minha imagem”. E é mesmo. Mas é bem divertido. Ele diz que, “se a Globo concordasse”, toparia narrar um game – no Brasil, o narrador Milton Leite já participou da série FIFA. Então um Galvão “oficial” pode ser questão de tempo. Ééééé…. do Brasil!Leia mais: Galvão Bueno digital